vlcsnap 2020 07 25 23h32m03s792 - Governo e parceiros disponibilizam kits de produtos alimentares aos deficientes físicos

Governo e parceiros disponibilizam kits de produtos alimentares aos deficientes físicos

em DESTAQUES/SOCIEDADE/ÚLTIMAS por

Para reduzir o índice de mendicidade nas artérias da cidade de Quelimane, o Governo na província da Zambézia e parceiros disponibilizaram cerca de 227 kits alimentares aos deficientes físicos.

A Secretária de Estado na Província da Zambézia, Judite Mussacula, procedeu nesta terça-feira, a entrega de 227 kits alimentares e de higiene e limpeza ao Fórum das Associações Moçambicanas de Deficientes da província da Zambézia (FAMOD).

Judite Mussacula, disse que com a iniciativa, pretende-se manter os deficientes físicos fora das ruas da cidade de Quelimane, uma vez que estando em locais de maior concentração populacional submetem-se a vários riscos de saúde.

“São no total 227 kits alimentares e higiene e limpeza, que estamos a fazer entrega ao FAMOD. Com este donativo, pretendemos reduzir a mendicidade na província uma vez que esta camada é a mais vulnerável neste período da pandemia do novo coronavírus”-vincou.

Entretanto, o Delegado Provincial do Instituto Nacional de Gestão Calamidades na Zambézia, Nelson Ludovico, afirma que os kits que contem diversos produtos alimentares são destinados a igual número de deficientes em toda a província da Zambézia.

“Os kits contem diversos produtos alimentares e de higiene e limpeza. Não são só dedicados a cidade de Quelimane como também vamos distribuir ao nível de todos os distritos. Cada deficiente terá um kit”-realçou.

Por seu turno, o Delegado Provincial do Fórum das Associações Moçambicanas de Deficientes na província da Zambézia (FAMOD), enaltece a iniciativa e afirma que o donativo poderá ajudar de forma significativa aos deficientes.

António João, salientou a redução de casos de mendicidade nas artérias da cidade de Quelimane, resultante de um intenso trabalho de mobilização da sua agremiação junto dos associados, no sentido de abandonarem a prática que os colocaria em situação de extrema vulnerabilidade, o que segundo ele, é reforçado pela entrega daqueles produtos.

Leia:  Para quando um Conselho de Ministros em bangala 2 ?

Leia o conteúdo  completo Clicando AQUI