Gemfields - Montepuez Ruby Mining desenvolve acções sustentáveis para proteger e preservar o meio ambiente

Montepuez Ruby Mining desenvolve acções sustentáveis para proteger e preservar o meio ambiente

em EMPRESAS MARCAS E PESSOAS por

No dia 5 de Junho, celebra-se o Dia Mundial do Meio Ambiente, com o objectivo de identificar acções positivas para a protecção e preservação do meio ambiente, bem como alertar as pessoas e os governos sobre a necessidade de o salvar.

Entre as várias acções positivas de protecção ambiental, destacam-se as da Montepuez Ruby Mining (MRM), cuja actividade é desenvolvida na província de Cabo Delgado, zona norte de Moçambique, que até agora se empenhou na reabilitação e protecção da biodiversidade nas áreas já exploradas pela concessão, numa altura em que, a nível mundial, plantas e animais estão em risco de extinção.

Sabe-se que a exploração mineira tem uma influência significativa no meio ambiente e, sendo uma das mais importantes minas de rubi do mundo, a MRM está particularmente interessada na protecção do meio ambiente e no estudo do impacto das suas operações.

Segundo o Chefe do Departamento de Saúde, Higiene e Segurança no Trabalho da MRM, Amarildo Teixeira, “A empresa incorpora a gestão ambiental no seu plano de exploração mineira, para recuperar e reabilitar áreas degradadas como resultado das actividades mineiras e de exploração. A principal abordagem é o ‘back-filling’ (reenchimento) dos poços mineiros, estabilização das margens dos poços, controlo da erosão, implantação de sistemas de drenagem, bem como a replantação de espécies nativas de plantas e árvores para revegetação. Além disso, a MRM realizou uma avaliação da biodiversidade, para compreender mais claramente os tipos de plantas e animais ameaçados que possam estar a viver na área de concessão, de modo a que possamos também pôr em prática planos de mitigação para os proteger”.

Segundo Teixeira, durante o processo de extracção, as diferentes camadas do solo superior são armazenadas separadamente, para depois serem utilizadas na reabilitação de áreas degradadas. Desde o início do projecto, foram reabilitados pelo menos 3 poços.

Leia:  Montepuez Ruby Mining defende “dano zero” nas suas operações

De acordo com um estudo de impacto ambiental, foram identificadas plantas ou árvores indígenas na zona em questão que têm valor histórico, cultural e comercial. Estas plantas são preparadas e tratadas num viveiro construído para o efeito. As sementes são compradas às comunidades locais e às lojas ou empresas do agricultor que promovem produtos agrícolas, localizadas na zona de Montepuez ou nas suas proximidades.

Amarildo salienta ainda que o Governo, no seu papel de fiscalização, tem vindo a realizar auditorias e inspecções ambientais, através da AQUA (Agência Nacional para o Controlo da Qualidade Ambiental), sendo a questão da monitorização das áreas degradadas uma das componentes destas actividades.

Além disso, em 2018, a MRM desenvolveu um procedimento de gestão da reabilitação, que apresentou ao MITADER (Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural) para efeitos de aprovação e promulgação. A MRM apresentou igualmente, numa base semestral e anual, relatórios de desempenho ambiental.