PGR MOCAMBIQUE - PGR moçambicana diz que raptos exigem ação enérgica

PGR moçambicana diz que raptos exigem ação enérgica

em DESTAQUES/POLITICA por

A procuradora-geral da República de Moçambique, Beatriz Buchili, defende “uma intervenção enérgica” contra os raptos no país, referindo que este crime tem impacto negativo na segurança das pessoas e no desenvolvimento.

O impacto deste tipo de criminalidade na segurança das pessoas e no desenvolvimento económico exige uma intervenção enérgica”, disse Beatriz Buchili, no relatório anual de atividades do setor de justiça, cujo debate termina hoje na Assembleia da República (AR).

O sucesso do combate e prevenção dos raptos depende do esforço das instituições judiciárias, mas também da colaboração dos familiares das vítimas, estruturas administrativas de base, agentes económicos e da sociedade, em geral, acrescentou Buchili.

“Os locais que, normalmente, são usados como cativeiro, situam-se nos nossos bairros e a angariação dos valores para pagamento do resgate conta, algumas vezes, com o apoio de familiares, amigos ou agentes económicos mais próximos”, referiu a procuradora-geral da República.

As autoridades judiciais, prosseguiu, vão continuar a apostar na investigação para a identificação, localização e responsabilização dos autores de raptos.

A promoção da integridade no comportamento dos agentes do Estado que trabalham nos serviços vocacionados ao combate à criminalidade estará também no centro das atenções, assinalou Beatriz Buchili.

A procuradora-geral da República avançou que 15 processos-crime por rapto foram abertos em 2019, mais um que no ano anterior.

Dos processos instaurados no último ano, foi deduzida acusação em seis e 10 encontram-se em instrução preparatória, incluindo um que transitou de 2018 para 2019.

Beatriz Buchili assinalou que as redes criminosas que protagonizam raptos tendem a alargar a sua ação para outras províncias moçambicanas, após um período inicial em que concentravam a atividade nas cidades de Maputo, Matola e Beira.

Leia:  Falta de transparência na admissão: Ceta Construções é acusada de corrupção

Na quarta-feira, a polícia moçambicana resgatou dois empresários, Rizwan Adatia e Manish Cantilal, duas das sete vítimas de sequestros registados no país desde o início do ano.

A situação fez com que a Confederação das Associações Económicas de Moçambique (CTA) lançasse um apelo há duas semanas, solicitando “a quem de direito, ações enérgicas para estancar este mal que afugenta qualquer empreendedor ou investidor“.