Jornal Txopela Nr 146 - Massacre em Cabo Delgado:“Aquelas 52 almas valem nada?” – Manuel de Araújo

Massacre em Cabo Delgado:“Aquelas 52 almas valem nada?” – Manuel de Araújo

em POLITICA por

Manuel de Araújo, um dos políticos mais proeminentes da cena política moçambica­na, e conhecido pela sua verticali­dade na analise e questionamento sobre os temas que marcam a ac­tualidade nacional. Após uma que­bra de silencio que persistiu por mais de 06 meses, depois da rea­lização das primeiras eleições para a eleição de governadores provin­ciais em Moçambique , onde foi oponente directo do actual gover­nador da província da Zambézia, Pio Augusto Matos. Quebrou a mesmice precisamente no dia 11 de Abril último, quando estrutu­rou a entrega de kits de protec­ção aos táxi-ciclistas que operam na Autarquia de Quelimane numa campanha de prevenção contra o novo Coronavírus, embora ainda com presença tímida ao nível da imprensa local e nacional como é tradição. De Araújo recorreu as suas redes sociais para comentar e repudiar a ociosidade do governo moçambicano e das Forças de De­fesa e Segurança face aos ataques em Cabo Delgado, rigorosamente o assassinato de 52 jovens pelo gru­po armado que tem vindo a semear dor e luto nos últimos dois anos naquela circunscrição geográfica, assunto largamente noticiado pela imprensa nacional e internacional nesta semana.

O Autarca de Quelimane num tex­to de 1126 caracteres começa por elencar as mortes que segundo ele [Manuel de Araújo] golpeiam o Estado de direito democrático, desde o assassinato de Carlos Car­doso, um respeitável jornalista e fundador do Jornal Metical, até ao bárbaro assassinato de Anastácio Matavel um activista e observador eleitoral, por elementos perten­centes a um Grupo de Operações Especiais da Policia.

O político classificou a apatia das organizações da sociedade civil, das formações politicas da oposi­ção, dos órgãos de comunicação social, as confissões religiosas e da sociedade no geral como sendo uma pandemia nacional.

Leia:  Manuel de Araújo apela a paz e esperança em Moçambique

Leia o artigo completo na Edição Impressa disponível aqui:  https://bit.ly/3bDf68r