Ministra da Saude Nazira Abdula scaled - Moçambique defende a união de esforços para o cumprimento da Agenda 2030

Moçambique defende a união de esforços para o cumprimento da Agenda 2030

em DESTAQUES/POLITICA por

“Para o alcance das metas dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável até 2030, é importante o envolvimento de todos os actores incluindo Governo, sociedade civil, sector privado, academia, parlamentares, governos locais, parceiros internacionais, entre outros. Neste contexto, apelamos ao engajamento de todos, nos seus sectores de trabalho, pensando sempre em sinergias e complementaridades”, diz  o Ministro da Economia e Finanças (MEF), Adriano Maleiane, na abertura da 18ª sessão plenária do Observatório de Desenvolvimento.

 

Para a concretização desta intenção, o Governo de Moçambique convidou o sector privado e sociedade civil, na última sexta-feira 6 de dezembro, em Maputo, para o Observatório de Desenvolvimento, um fórum consultivo e participativo de reflexão e diálogo sobre o desenvolvimento do país.

 

Durante a sessão, procedeu-se ao lançamento oficial da Revisão Nacional Voluntária, um processo de avaliação que culminará com a apresentação de um relatório da implementação da Agenda 2030 em Moçambique, no Fórum Político de Alto Nível em Nova Iorque, em Julho de 2020. Agenda que só será concretizada se houver um esforço conjunto entre todas as partes envolvidas.

 

Reconhecendo que a Agenda 2030 traz uma inovação ao equilibrar as três dimensões do desenvolvimento, a econômica, social e a ambiental, o dirigente afirma que “Na busca de melhores respostas com vista a minimizar os impactos das mudanças climáticas, o país tem estado a imprimir reformas, tendo resultado na criação do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades, Conselho Coordenador de Prevenção e Combate às Calamidades Naturais, Sistema Integrado de Gestão de Informação sobre Calamidades, Fundo de Gestão das Calamidades Naturais e, muito recentemente, o Gabinete de Reconstrução Pós-ciclone IDAI”.

 

Na mesma ordem de ideias, a sociedade civil e parceiros apontam o sector privado como aliado estratégico para a implementação dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável.

Leia:  Não ao aproveitamento político do assassinato de Amurane! — Miguel Luís

 

“A implementação da nova agenda traz consigo um fenómeno preocupante, que é o facto de ser para todos os países do mundo, pobres e ricos, o que remete para o desafio financeiro. Por essa razão, temos de potenciar não apenas a ajuda externa, mas também as fontes não tradicionais, refiro-me ao envolvimento do sector privado”, recomendou Humberto Zaqueu, da sociedade civil.

 

O Ministro Maleiane terminou a sessão afirmando que “a sociedade civil é assessora do governo” e o diálogo é fundamental para a identificação de políticas para o alcance dos objectivos da  Agenda 2030.

 

Refira-se que a Agenda 2030 tem 17 objectivos globais, com 169 metas, que foram adoptado pelos estados membros das Nações Unidas, e tem como objectivo satisfazer as necessidades do presente sem comprometer a satisfação das necessidades de gerações vindouras.