ALIF QUÍMICA: Indústria acusada de intoxicar crianças

em DESTAQUES/REPORTAGEM por

Moradores do bairro Saguar na cidade de Quelimane na Zambézia, denunciam de forma recorrente que a indústria de óleo alimentar e sabão, Alif Química tem despejado resíduos líquidos tóxicos, de produtos químicos utilizados no acto de fabrico, para a vala de drenagem que passa por aquela área residencial onde também está instalada a unidade fabril.

O problema concorre para o surgimento de varias doenças que atentam a vida humana, principalmente em crianças. A atitude, segundo explicam aqueles moradores do bairro Saguar vem se verificando a muitos anos, mesmo depois de tantas vezes terem reclamado junto da direcção da indústria Alif Química em Quelimane.

O facto é uma demonstração clara de total desinteresse da indústria de óleo e sabão Alif Química, com a saúde pública dos residentes ao redor da instalação da indústria, afectados diariamente com a poluição ambiental ali verificada.

Com recurso há mais de cinco furos engendrados pela indústria ao longo da parte traseira do muro da mesma, são drenados resíduos líquidos tóxicos à vala de drenagem que atravessa o bairro com destino ao rio dos bons sinais em Quelimane, perigando desta forma a saúde humana bem como da vida das espécies marítimas.

A acção em causa, despertou a repugnância dos residentes que já há alguns anos pedem aos proprietários da indústria Alif Química, para que se freie com o acto e recorram a um marco ambientalista.

“Já recorremos aos órgãos de comunicação social, a direcção da indústria, mas nada acontece, de contrário a situação só vem se agravando”, lamentou a jovem Maninha que reside há mais de vinte anos naquele bairro, diante do atentado a saúde pública, acto praticada por aquela unidade fabril.

Leia:  ÉPOCA CHUVOSA: Mocuba prepara-se para o pior

Segundo a nossa entrevistada, devido as diversas reclamações que recaem sobre a Alif Química, a indústria recorreu a uma nova estratégia de drenagem dos seus resíduos, passando assim a liberar os sedimentos na calada da noite.

“Quando eles despejam aquele líquido durante a noite, o ar fica insuportável dificultando a respiração dos moradores mais próximos, que são obrigados à permanecer dentro das suas residências de forma a precaver alguma contaminação”, concluiu.

Outro residente, que falou em anonimato ao Jornal Txopela e a Rádio Chuabo FM, disse já haver registos de casos de crianças com doenças respiratórias (bronquite e asma), devido a inalação daquele ar tóxico.

Além de doenças respiratórias em crianças e idosos, a vegetação que se estende nas bermas da drenagem não escapam da toxina levando assim ao enxugo da flora.

A nossa equipa de reportagem tentou sem sucessos ouvir a direcção da indústria de óleo e sabão Alif Química em Quelimane, que escusou receber os jornalistas que escalaram àquela industria por tres vezes consecutivas.