“O Estado de direito democrático em Moçambique está em coma” = Manuel de Araújo

em DESTAQUES/POLITICA por

O candidato ao cargo de governador da província da Zambézia pelo partido Renamo, Manuel de Araújo, teceu duras críticas está quarta-feira (10) em Alto Molocué à actuação dos órgãos de Estado na Zambézia e a vontade do partido Frelimo em subverter o Estado de direito democrático, considera.

Araújo começou por chancelar que Moçambique é um Estado autoritário, segundo considerou o The Economist, uma respeitável publicação inglesa editada em Londres e especializada em noticias e assuntos internacionais.

O político reagia assim ao adiamento por SMS de uma sessão da Assembleia Autárquica de Alto Molocué, assunto noticiado pelo Jornal Txopela ao longo das últimas horas.

Alto Molocué: Oposição pode deixar cair executivo municipal

Aos contornos: Em mensagem enviada aos chefes das bancadas do partido Frelimo e Renamo na Assembleia Autárquica de Alto Molocué, o Presidente da Mesa da Assembleia, Francisco Cinquenta comunicou na manhã desta quarta-feira (10 de julho) o adiamento da terceira sessão ordinária justificando que se encontra doente.

Antecede a este facto, a tentativa de assassinato de André Txetxema, membro do MDM e vice-presidente da Assembleia Municipal. O caso teve lugar no pretérito dia 05 de julho, onde um grupo de indivíduos com recurso a instrumentos contundentes e electrocução, espancaram violentamente o membro do MDM nesta circunscrição geográfica.

Manuel de Araújo foi mais incisivo “isto é uma gangue para perverter o estado de direito”

Leia:  NA ZAMBÉZIA: CDD Forma Monitores Eleitorais