ZAMBÉZIA: Balcão de Atendimento Único licenciou 937 empresas em 2018

em DESTAQUES/SOCIEDADE por

O Balcão de Atendimento Único (BAÚ), na Zambézia, licenciou durante o ano passado novecentos e trinta e sete empresas de prestação de serviços, comércio e agricultura, facto que tem vindo a reduzir o índice de desemprego na província.

Com novecentos e trinta e sete empresas licenciadas de vários ramos, o Balcão de Atendimento Único na Zambézia, falha com o cumprimento da meta planificada uma vez que estava previsto o licenciamento de 1171 empresas só no ano passado.

A informação foi avançada esta quinta-feira em Quelimane, pelo Director Executivo do Balcão de Atendimento Único na Zambézia, Fernando de Carvalho, em entrevista ao Semanário Txopela.

De acordo com Fernando de Carvalho, a instituição que dirige atingiu cerca de 80 por cento de execução no que diz respeito a empresas licenciadas naquela circunscrição geográfica.

O processo, arrecadou para os cofres do estado, cerca de 2.104.074 meticais, tendo ultrapassado o valor de receitas planificadas na ordem de 1.300.000 meticais para o ano 2018.

“Em 2018, tínhamos uma projecção de licenciar 1171 empresas e registamos 937, o que corresponde a 80 por cento da execução daquilo que estava planificado para 2018. Em termos de receitas colectamos 2.104.074 meticais, enquanto planificávamos colher 1.300.000 meticais o que significa um bom indicador”-apontou.

Fernando de Carvalho, explicou ainda que, como resultados de actividades desenvolvidas pelo BAÚ, no primeiro trimestre do ano em curso, foi possível licenciar, cerca de 95 empresas, onde foi possível arrecadar para os cofres do estado 428.589 meticais.

“As dificuldades são enormes! Sabemos que o país esta em crise e não vai conseguir resolver todos os problemas mas estamos a trabalhar para agradar e servir melhor o cidadão”-realçou Fernando de Carvalho, Director Executivo do Balcão de Atendimento Único na Zambézia.

Leia:  Hidroeléctrica de Cahora Bassa celebra acordo com bancos comerciais

O BAÚ na Zambézia, pretende trabalhar com as várias associações e organizações que desenvolvem actividades comerciais, como também as pequenas e médias empresas que ainda não legalizaram suas empresas para efectuar o licenciamento com objectivo de alavancar a economia do país.