Transitabilidade condicionada em (quase) todos os bairros de Quelimane

em DESTAQUES/SOCIEDADE por

As fortes chuvas registadas nos últimos dias na província da Zambézia, com destaque para a sua capital politica e administrativa, para além de estragos avultados no seu sistema de distribuição de energia e comunicação, condicionou igualmente a transitabilidade em mais de 80 % dos 54 bairros que perfazem a Autarquia de Quelimane.

Micajune, Floresta, Acordos de Lusaka, Cololo, Santagua, Brandão, Aeroporto, Sangariveira, Janeiro, Manhaua e Torrone são os mais problemáticos. O Jornal Txopela apurou numa ronda efectuada ao longo dos últimos dias, que a situação é preocupante para os utentes das vias, percorrer as estradas a pé ou de bicicleta é um autentico exercício de ginástica aeróbica.

Poços de água com profundidades que variam entre 7 a 20 centímetros caracterizam a maioridade das vias de acesso da zona periurbana da capital das bicicletas em Moçambique.

O Conselho Autárquico de Quelimane cuja a responsabilidade recai na gestão e manutenção das vias, é acusado pelos munícipes de fazer vista grossa perante a situação.

“Tenho crianças que devem sair para a Escola, mas a rua esta toda alagada a dias, e não é possível deixar as crianças andarem sozinhas nestas condições, temos de fazer um exercício muito grande para encontrar vias alternativas, mas sempre com problemas de charcos, e o risco de escorregar e cair é maior, todo o cuidado é pouco” – Lamenta Alexandra Issa, que questiona a prestação do executivo municipal de Quelimane.

Do Conselho Autárquico de Quelimane, de fontes da vereação que superintende a área de Urbanização e Construções o Jornal Txopela apurou que neste período de chuva “é quase impossível realizar trabalhos no terreno dada a instabilidade do solo que se encontra lamacento”, o outro empecilho segundo relata a fonte prende-se igualmente com a indisponibilidade de dinheiro, um argumento que a muito os funcionários da Autarquia apropriaram-se para justificar a falta de trabalho nos mais diferenciados sectores.

Leia:  Filipe Nyusi efectua visita de trabalho à província de Nampula

É um cenário que  se repete  todos os anos, sem solução a vista.