18 dias sem remoção de lixo em Quelimane: A cidade cheira mal  

em DESTAQUES/REPORTAGEM por

A capital da Zambézia está a 18 longos dias acobertada por imundice total que ameaça a eclosão de doenças diarreicas, com destaque para a cólera. Desde o dia 08 de março do ano 2019, que se verifica uma inércia total na remoção dos resíduos sólidos, o lixo passou a formar laços de amizades com os munícipes, devido a sua presença em quase todas as artérias da cidade de Quelimane.

Contentores abarrotados e com lixo a transbordar, ruas total ou parcialmente intransitáveis devido ao volume do lixo amontoado, pessoas e zonas habitacionais sufocadas por forte cheiro nauseabundo, é está a descrição real na zona cimento da cidade.

Entretanto, nos bairros suburbanos a realidade é ainda mais difícil, com as poças de águas nas estradas com profundidades de 20 a 60 centímetros a condizer com a difícil condição financeira das famílias, não há onde recorrer. Manuel de Araújo está ausente da cidade a aproximadamente um mês a cumprir agendas desconhecidas pelos membros da Assembleia Municipal de Quelimane e o publico em geral.

O Jornal Txopela apurou que este facto tem estado a pesar para que os serviços de remoção de resíduos sólidos da Empresa Municipal de Saneamento não funcionem a pleno vapor. O punho do Presidente do CAQ, Manuel de Araújo é a assinatura obrigatória para a movimentação de dinheiro das contas através de cheques de pagamentos dos combustíveis que movimentam as máquinas de remoção de resíduos sólidos.

Leia:  MISA Moçambique condena agressão a jornalista em Quelimane