LIBERDADE & INDEPENDÊNCIA

LINHA FÉRREA MOATIZE-MACUSE: 68 famílias serão reassentadas em Quelimane

em DESTAQUES/SOCIEDADE por

Um total de 68 famílias serão reassentadas na localidade de Supinho distrito de Quelimane, província central da Zambézia para dar lugar a construção da linha férrea Macuse-Moatize cujas  obras arrancam em Maio do ano em curso, apurou o Jornal Txopela.

A administração distrital de Quelimane, através do Director dos Serviços Distritais de Planeamento e Infra-estrutura, Nazimo Adamo, diz que, estão em curso várias actividades de forma a consciencializar as famílias afectadas, no que diz respeito ao processo de reassentamento.

“Já começou o processo de recenseamento do pessoal que será afectado pelo projecto de linha ferroviária. De principio o censo feito, serão abrangidas 68 casas para dar lugar a construção da linha férrea”.

O nosso entrevistado disse, ser do conhecimento da população daquela circunscrição geográfica sobre os passos que serão marcados para o reassentamento, dado que o Governo distrital efectuou várias reuniões de consultas públicas.

Sem avançar os custos do processo, Nazimo Adamo justifica que as famílias serão transferidas para casas de construção convencional,  diferente das actuais construídas com material precário.

A edificação da infra-estrutura portuária vai compreender várias fases, nomeadamente a preparação da construção, nivelamento do local, o estabelecimento de escritórios, obras de estradas temporárias, e do próprio cais, dragagem do canal, a compactação dos alicerces e a instalação do equipamento para o manuseamento da carga.

Refira-se que a construção do porto de águas profundas de Macuse e da linha férrea, entre Moatize, em Tete, até Supinho na Zambézia, no centro de Moçambique percorrerá uma extensão de 500 quilómetros, vai consumir cerca de três biliões de dólares norte-americanos.

Leia:  ELEIÇÕES AUTÁRQUICAS DE 2018: “Apenas os cidadãos eleitores é que devem exercer soberania”
Translate »
Ir para topo
WhatsApp chat