Detidos dois burladores na Zambézia

em DESTAQUES/SOCIEDADE por

É mais uma burla resumida em fracasso, que terminou nas malhas da polícia. Os jovens na imagem estão a ver o sol aos “quadradinhos” na quarta esquadra em Quelimane província central da Zambézia, indiciados de burla à cidadãos naquela circunscrição geográfica.

Uma vaga de emprego e suposta venda de cadeiras em troca de uma importância de 9 mil e 2 mil meticais respectivamente, é o que esteve na origem da detenção destes dois indivíduos.

De acordo com a primeira vítima, tudo aconteceu em Dezembro do ano passado quando o burlador que responde pelo nome de João Patia, de 30 anos de idade, prometeu emprego a vítima no Sector de Agricultura do distrito de Ilé, norte da Zambézia onde o indiciado trabalha como Técnico de Planificação. A vítima que se encontrava “aflita a procura de emprego” caiu nas mãos do burlador.

O jovem explicou que acedeu imediatamente a proposta e tratou de organizar os documentos exigidos na altura, e o respectivo valor monetário para garantir o emprego que lhe era prometido.

 “Ele levou meu dinheiro alegando que ia dar-me emprego no Sector de Agricultura, o que não chegou de se concretizar. Quando eu lhe cobrava o valor ele agia de forma agressiva. Afinal era uma farsa. Pretendia apenas me roubar o dinheiro”- afirmou.

Outra vítima, burlada por um jovem que responde pelo nome de Zito Sobrinho, de 27 anos de idade, residente no bairro primeiro de Maio, fazia se passar por um vendedor de cadeiras no Mercado de Brandão, afirma que tudo aconteceu quando procurava comprar cadeiras naquele mercado municipal.

“Quando eu estava a passar apreciando cadeiras, o jovem me abordou alegando que tem cadeiras a 230 meticais. Dei o dinheiro, e ele nunca mais voltou. Passados quatro meses foi possível reconhecer o indivíduo quando circulava no mercado Brandão”-frisou a vítima.

Leia:  QUELIMANE: Água não jorra nas torneiras a 24 horas

Os burladores confessam o crime e alegam que pretendiam obter dinheiro para fins particulares.

João Patia, indivíduo que burlou o jovem que pretendia emprego no Sector de Agricultura no distrito de Ilé, disse que levou o valor com o intuito de ajudar a vítima que se encontra desempregada, facto que se tornou difícil.

“Eu levei nove mil e quinhentos meticais. Eu pretendia ajudar ele para uma vaga de emprego. Estou muito arrependido mas eu prometo enviar o valor amanhã via Mpesa”-advertiu.

Zito Sobrinho, outro burlador confessa o crime e afirma que tem sido o seu trabalho diário para a sua sobrevivência e da sua família.

Por seu turno, o Porta-voz da Policia da República de Moçambique na Zambézia Sidner Lonzo, apelou aos cidadãos a tomar atenção e denunciar os casos de corrupção e burla imediatamente na esquadra mais próxima.