Condecorados 10 combatentes da luta armada na Zambézia

em DESTAQUES/POLITICA por

As celebrações do 3 de Fevereiro, Dia dos Heróis Moçambicanos, em Quelimane foram marcadas pela atribuição de galardões e insígnias aos combatentes nacionais, que se destacaram na construção e defesa do País.

Foram condecorados este domingo (03) em Quelimane, província central da Zambézia, 10 combatentes da luta armada nas categorias de medalha de Bagamoio, mérito de Segurança, trabalho e medalha de veterano de luta de libertação nacional.

As festividades contemplaram ainda um desfile dos diversos ramos das Forças de Defesa e Segurança (FDS), com destaque para a Associação dos Combatentes da Luta de Libertação Nacional (ACLLIN).

O Governador da Província da Zambézia, Abdul Razak, que presidiu a cerimónia que teve como um dos momentos mais altos a atribuição de títulos e condecorações de combatentes da luta armada em Moçambique, disse que os títulos foram concedidos com o objectivo de valorizar os feitos notáveis de cidadãos nacionais que enraizados na tradição da luta de libertação nacional contribuíram para a consolidação da independência nacional e defesa da pátria.

“Os libertadores da pátria devem continuar com o trabalho que fizeram porque não terminou. Vamos todos contribuir para o desenvolvimento cultural e social deste país, para os objectivos fundamentais de Eduardo Mondlane se efectivem”- disse Abdul Razak.

Por seu turno, os galardoados não esconderam a sua satisfação face à distinção atribuída uma vez que corresponde o papel por ele desempenhado para a edificação da unidade nacional.

Eduardo Malaua, condecorado a combatente veterano da luta de libertação nacional, disse que a distinção demonstra o reconhecimento do papel desempenhado por todos que derramaram sangue em prol da conquista da soberania nacional.

“Não temos outra exigência a dar ao Governo de Moçambique. Uma medalha com essa resume muita coisa. Se fosse outros poderiam dizer, porque não nos dão dinheiro ou outras coisas mas é o que o Governo consegue fazer até essa altura”-disse Eduardo Malaua, acrescentando que a medalha dignifica os seus feitos no percurso difícil na missão de libertação do país.

Leia:  ZAMBÉZIA: “A província Rebelde” [01]

António Machas, classificou de grande marca e oportuna a distinção, pois demonstra o esforço feito durante a durante a luta de libertação nacional.