Crocodilos voltam a matar em Mocuba

em DESTAQUES/SOCIEDADE por

Crocodilos voltam a semear dor e luto aos cidadãos residentes no distrito de Mocuba, província central da Zambézia, o facto ganha contornos alarmantes quando se aproxima a época chuvosa, naquela circunscrição geográfica.

A informação avançada esta segunda-feira em Quelimane pelo Porta-voz da Policia da República de Moçambique na Zambézia Sidner Lonzo, no balanço das últimas 72 horas.

Um corpo sem vida de um jovem de aparentemente 25 anos de idade foi encontrado nas margens do Rio Licungo e o outro caso registou-se no Rio Licuar.

No rio Licungo, em Mocuba, abundam crocodilos que têm amedrontado os moradores daquela urbe. Quase todos anos, registam-se casos de vítimas de ataques daqueles tipos de répteis carniceiros. Em contacto com moradores do bairro 25 de Setembro em Mocuba, o Jornal Txopela apurou que parte dos moradores, apoiam à ideia de que os crocodilos ali existentes são de magia negra, porque segundo justificam, estes devoram apenas os órgãos genitais das suas vítimas e o resto do corpo permanece ileso.

“Há registos de pessoas que foram atacadas quando se encontravam a tomar banho e arrastadas para o fundo da água onde supostamente existe uma caverna. Em alguns casos as vítimas são impelidas e nunca mais vistas. Isso preocupa a sociedade e principalmente os arredores do rio Licungo”. ─ Explica Cristóvão Bernardo.

“A intervenção dos agentes do Corpo de Salvação Pública não é visível” protestam os moradores para quem é necessária uma acção enérgica das autoridades policiais e de salvação. Fontes ouvidas pelo Jornal Txopela indicam que só no ano findo, um jovem de 17 anos de idade, foi morto num ataque de crocodilos quando se encontrava a pescar naquele rio, na companhia da sua mãe. O mesmo fenómeno sucedeu também no distrito de Nicoadala, onde uma vítima de 60 anos foi arrastado pelo crocodilo .

Leia:  Polícia Municipal apreende 23 motorizadas em Quelimane

O Porta-voz da Polícia da República de Moçambique na Zambézia, Sidner Lonzo, diz não ser novidade este tipo de acontecimentos contudo, apela a comunidade a denunciar sempre que possível.

Noutra vertente, a polícia fez saber que ainda esta semana, no distrito de Alto-Molocue um indivíduo de nacionalidade Bengali comprador e revendedor de ferro-velho, comprou ferro velho e depois de ter comprado notou que no seu interior havia 4 engenhos explosivos 3 do tipo morteiro 80 e 1 do tipo morteiro 40 que felizmente não causou danos.