LIBERDADE & INDEPENDÊNCIA

Raiva canina mata em Quelimane

Raiva canina mata em Quelimane

em DESTAQUES/SOCIEDADE por

A confusão instalada há cerca de um mês na cidade de Quelimane sobre o recrudescimento dos casos de mordeduras caninas está a mexer com a opinião publica.

Nos últimos tempos, são muitos os casos que vem sendo relatados de cães maioritariamente vadios que vagueiam pelas ruas da cidade e, de certeza, representam uma ameaça aos munícipes residentes nesta circunscrição geográfica.

O recrudescimento destes casos culminou em alguns na morte de três das vítimas confirmadas, só no último mês. Uma destas vitimas, um menor de três anos de idade, chegou a ser socorrido para os serviços sanitários mais próximos, mas, segundo as afirmações do pai do menor, no lugar de uma vacina contra a raiva, foi-lhe administrada a vacina contra tétano.

Para inteirar do funcionamento desta linha de tratamento, o Semanário Txopela ouviu o Chefe dos Serviços de urgências no Hospital Geral de Quelimane, sobre o trabalho que está a ser desenvolvido pelas autoridades sanitárias, no sentido de inverter o cenário dramático que está instalado na cidade e trazer de volta à confiança dos seus utentes.

Gito Namanhenga disse que o tratamento das pessoas vítimas de mordeduras caninas obedece três fases nomeadamente: o tratamento anti tétano e à desinfeção que podem ser feitos no centro de saúde mais próximo, a aplicação da 1a dose de vacina antirrábica que acontece no Hospital Geral de Quelimane e no Hospital Central de Quelimane e a aplicação das vacinas subsequentes que pode decorrer no CHAEM.

“O tratamento dos casos de mordeduras caninas obedece as seguintes regras: Quando o paciente é mordido deve dirigir-se imediatamente ao posto de saúde ou centro de saúde mais próximo da sua residência ou do local onde foi mordido para receber a vacina antetétano e ser desinfetado; depois disso deve se apresentar junto do Hospital Geral ou do Hospital Central a fim de receber a primeira dose da vacina antirrábica. É preciso notar que tanto o Hospital Geral como o Hospital Central, tem condições para aplicar apenas a primeira dose de vacina antirrábica, as restantes doses só podem ser aplicadas no Centro de Higiene Ambiental e Exames Médicos — CHAEM”.

Leia:  Funcionários da Trovão Segurança em Quelimane sem salários

O Director dos Serviços de Urgência do Hospital Geral de Quelimane disse ainda que o paciente só pode se considerar totalmente tratado, depois de ter recebido cinco doses de vacina contra raiva, ou seja, uma vacina no Hospital Geral ou Hospital Central e as restantes quatro no Centro CHAEM.

Deixe a sua opinião

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Translate »
Ir para topo