LIBERDADE & INDEPENDÊNCIA

Bancada da Frelimo na AM de Quelimane vota contra o aumento de taxas municipais

“Não queremos martirizar os munícipes”

em DESTAQUES/POLITICA por

Bancada da Frelimo na AM de Quelimane vota contra o aumento de taxas municipais

A bancada da Frelimo na Assembleia Municipal de Quelimane votou contra a proposta do código de Posturas Municipais e aumento de taxas ao nível da autarquia de Quelimane. A posição é justificada por Rijone Bombino, chefe da bancada daquela formação politica como sendo a forma que encontraram para não martirizar os munícipes em ano de recessão económica.

A Assembleia Municipal de Quelimane esteve reunida está segunda e terça-feira na primeira sessão ordinária do órgão para deliberar sobre a proposta do calendário das sessões da assembleia Municipal para o ano de 2018, relatório balanço das actividades do Conselho Municipal referentes ao ano de 2017, e a aprovação da tabela de taxas municipais.

No que diz respeito a aprovação da tabela de taxas municipais o partido Frelimo na AM refere que há uma clara intenção do executo municipal em sufocar cada vez mais o pacato cidadão, o entendimento daquela formação politica é de que não faz sentido um aumento exponencial de encargos para os munícipes num período de escassez de recursos financeiros no Pais. “Para a aplicação destas taxas era preciso um trabalho de consulta prévia a diversas forças vivas, tendo em conta que o destino é o munícipe que tem de arcar com todos os custos ”.

A Frelimo na AM acusa o executivo em conluio com o partido maioritário naquele órgão o MDM de tentar sufocar os munícipes da autarquia, defendendo que o aumento das taxas não tem fundamentação “queremos saber as razoes dos aumentos, as tabelas que nos foram apresentadas não explicam as razoes dos aumentos dos valores e isso preocupa-nos, não queremos assumir responsabilidades perante os munícipes sem que hajam razoes justificáveis que levam ao aumento ” — justificou Rijone Bombino.

Leia:  Zambézia supera meta de vacinação contra Sarampo e Rubéola

Os bens de consumo imediato por exemplo a tabela de taxas municipais que foi aprovada pela maioria do Movimento Democrático de Moçambique explica que dos 5 meticais desembolsados anteriormente, os comerciantes passaram a pagar 10 meticais, “há pessoas cujo lucro é exactamente esse nas barracas nos bairros, como é possível martirizar os pobres desta forma?” lamenta o nosso entrevistado.

BANCADA DO MDM NA AM REAGE E…

O que diz não se entende

Na entrevista concedida ao Jornal Txopela para explicar as razoes que ditaram para que a bancada do MDM votasse a favor do documento que estabelece o aumento das taxas ao nível da autarquia, File Salato actual chefe da bancada daquele partido que constitui a maioria naquele órgão deliberativo começou por elogiar a prestação do governo municipal para depois acrescentar “tudo que está sendo feito pelo executivo a margem da lei é para o bem dos anseios dos munícipes em que eu faço parte como munícipe desta cidade”.

Em jeito de pergunta insistência os jornalistas buscaram perceber qual é a avaliação que o MDM fez ao documento de aumento de taxas municipais e com que base o Movimento Democrático de Moçambique votou a favor, o nosso interlocutor respondeu nos seguintes termos “é por causa das dividas ocultas contraídas pelo governo deste País, o governo do partido Frelimo que está a criar problemas colaterais”.

Questionado se o MDM percebia e avaliou o impacto que os aumentos poderão gerar na vida dos munícipes de baixa renda, o chefe da bancada do MDM na Assembleia Municipal, vociferou que “o combustível subiu, outras taxas subiram, produtos da primeira necessidade todos subiram, porque é que o executivo municipal não poderá andar na mesma linhagem”

Deixe a sua opinião

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Translate »
Ir para topo
WhatsApp chat