PRECISAMOS DE (SER)PENTES! — Rogério Marques Júnior

em OPINIÃO por
Rogerio Junior 

É verdade que há verdades que não deveríamos saber. Há umas verdades que nos deixam felizes e outras tristes. Estou a falar daquelas que nos deixam desapontados e nos desligam da “coisa” antes venerada. Para os que estão dispostos a conhecer este tipo de verdade terão que pagar com seu sangue. Quem não quer parecer ser? Quem é você para estragar a festa?

É possível vermos esta tendência de esconder, a todo custo, uma verdade num livro sagrado: A Bíblia. Adão e Eva do Jardim do éden tinham liberdade de comer “n” coisas, mas estavam interditos, por Deus, de comer a “fruta da árvore do conhecimento” até que uma serpente seduziu a Eva a provar da fruta também partilhada com Adão. Daqui segue-se uma revolução na mente destes seres, autodescobrem-se e há um inconformismo. A isso Deus chama de desobediência. Ela teve um preço: A Mulher teria que sangrar por resto da sua vida e o Homem teria que trabalhar arduamente.

Muitos Homens hoje são como Adão e Eva antes de conhecerem a serpente. São obedientes, conformados e não tem conhecimento. Este último é-lhes dado mecanicamente para que sejam meras caixas-de-ressonância. Por isso, estes Homens fazem nada perante actos de injustiça, racismo, corrupção, clientelismo etc. De facto, é preciso ser desobediente sempre que há uma anomalia social. Como posso ser?

Neste momento faltam-nos as “serpentes”. Das poucas que temos, muitas já não são venenosas. Faltam-nos indivíduos que nos ofereçam a maçã da libertação. Que nos abram a mente e ajudem-nos a pensar fora da caixa. Que nos tirem desta caverna onde pensamos ser o melhor mundo. Que nos mostrem com evidências que, afinal, há alternativas melhores e que podemos exigir. Quer (ser)pente da sociedade? Seja! Pois a sociedade precisa aprender a desobedecer anomalias.

Leia:  A capoeira do jovem Sima Yangu