Como reagirá Juliana ? —Jessemuse Cacinda

/

Imagem editada 300x114 - Como reagirá Juliana ? —Jessemuse Cacinda

Está a circular uma campanha nos canais televisivos e nas redes sociais, chancelada pela Fundação Clarice Machanguana e que se propõe a promover hábitos de vida saudável aos seropositivos. A campanha em referência, promove quão o uso de antiretrovirais pode deixar a pessoa saudável e aconselha aos moçambicanos para fazerem o teste de HIV e conhecer o seu estado para permitir que tenham tratamento quanto antes.

Nesta campanha a qual vai a minha devida vénia pela iniciativa, algo chamou-me atenção. Um vídeo em que é apresentada a Juliana, uma rapariga que nasceu com HIV. Sem dizer uma palavra sequer, mas ensaiando o sorriso que caracteriza uma criança, a Juliana é exposta e a sua felicidade associada ao consumo de antiretrovirais.

Neste filme, a actriz principal, não tem voz, ou seja, há quem fala por si e a sua face embrulhada entre a imagem e movimento, características imprescindíveis do cinema. De certo, pode-se dizer que tudo foi feito para que a história fosse muito bem contada.

Mas a actriz é uma menor de idade, ou seja, sob o ponto de vista legal, alguém responde por si. Provavelmente esta particularidade terá sido respeitada para que se fizesse a gravação. Aliás, a mãe da própria rapariga também aparece no vídeo convidado aos telespectadores para que não deixem que o HIV os afaste das pessoas que mais amam.

Jessemusse Cacinda é jornalista moçambicano. Formado em Filosofia/História pela Universidade Pedagógica e Mestrando em Sociologia Rural e Gestão de Desenvolvimento pela Universidade Eduardo Mondlane. Tem uma larga experiência na comunicação social, tendo trabalhado na Rádio Moçambique e agora no Centro de Apoio a Informação e Comunicação Comunitária, um projecto baseado na Universidade Eduardo Mondlane. Comenta em programas de rádio e televisão e tem artigos de opinião dispersos pela imprensa escrita no país e no estrangeiro

Será que quando tiver idade para discernir a Juliana vai ficar feliz quando olhar para estes vídeos em que é exposta como seropositiva? Se ela tivesse idade para responder por si, teria aceitado fazer parte do vídeo? E se a resposta for contrária? Como ficam os danos causados a imagem desta pobre rapariga?

E como será o relacionamento desta rapariga com as outras crianças com as quais convive na escola ou mesmo na sua circunscrição residencial? A descriminação que sem dúvidas irá passar não vai afectar a sua integração social?  Não seria bom esperar que ela tivesse idade para melhor decidir? Ou melhor se a ideia é mostrar que as crianças podem ser felizes e saudáveis, mesmo com HIV, não seria ideal trazer uma mãe a contar a história da filha, sem necessariamente expor a imagem de tal filha? Ou então porque não entrevistar uma rapariga que já tenha 18 anos e que nasceu com HIV?

Estas questões despertam um monte de reflexões sobre os direitos humanos no geral e das crianças em particular, tendo em conta que ela não decidiu pessoalmente.

A Juliana é apenas uma criança que deve crescer e optar pelas suas escolhas. Por isso, os pais e adultos devem assegurar este desiderato. A dignidade de qualquer pessoa deve ser assegurada e os adultos não devem de forma alguma pautar por decisões que coloquem em questão a inserção social das crianças.

Cada um pode revelar em público o seu estado de saúde, sem que ninguém o faça por si. Até que ponto, o direito que os adultos têm sobre as crianças os permite transpor a sua dignidade? Até que ponto, a comunicação de massas pode deixar de ser reflexiva diante de situações em que pode se ganhar dinheiro?

Esta constatação chama atenção aos pais a pensarem antes de expor os seus filhos a qualquer situação. Assim, como as instituições, como a Fundação Clarice Machanguana a reflectirem sobre os danos que podem causar a moral da sociedade, antes de expor crianças. O facto dos representantes legais das crianças consentirem não reflecte a sua própria opinião.

.

Deixe a sua opinião

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Default thumbnail
Notícia Anterior

Organização do Festival de Zalala acusada de falta de transparência

Default thumbnail
Próxima Notícia

Araújo sugere troca de cargo com Nyusi

Recente deDESTAQUES

Translate »
WhatsApp chat