Até já Grande Niassa

Niassa1 300x200 - Até já Grande NiassaA última vez que vim para o Niassa, já lá passam 3 anos, estava na azáfama do festival regional de teatro da zona norte. Entre a nostalgia que a brisa dos planaltos causava aos meus olhos empoeirados de tanto saibro, a esperança de inalar o perfume de uma terra que tem muito a dar, matou a minha preguiça de galgar o troço Nampula – Cuamba – Lichinga – Lago, pois praia de Chuanga em Metangula era o destino.

Estas rotas, quando combinadas com as feitas nos anos em que vivi por estas terras, fazendo de Cuamba a minha segunda cidade e Niassa a minha segunda nação, sempre contribuíram para que a música de Machonguesi e dos Massukos tivesse outro sabor em meu paladar. Sempre, na esperança de que dias melhores viriam para esta que é a província mais extensa da pátria moçambicana.

Nestas últimas duas semanas, fiz de Cuamba, de novo a minha cidade e deste ponto escalei Mecanhelas e Metarica, pela primeira vez e pela sexta vez, pisei o chão de Mandimba, pese embora tenha, passado a primeira noite nesta pacata vila, onde os Yao e Macuas do Niassa provam o néctar socioeconómico e cultural dos Tchitcheuas do Malawi. Encher a boca para descrever estes lugares é sim prazeroso, como sempre o faço para falar daquela ilha que leva o nome de Moçambique, assim como da minha inegociavel cidade de Nampula. Mas prazeroso ainda, é descrever o sentimento que me marca.

A terra continua a mesma, a honestidade das suas pessoas, não cessa. A boa vontade e a hospitalidade, estão sempre em dia e por isso, mesmo, quando nos despedimos, recebemos de volta um sorriso de quem diz, que quer voltar a ver-nos. Vou com promessas de sempre voltar a viver a tua beleza, vou com a esperança de ver o asfalto sobre as tuas estradas. Vou com esperança de ver os teus campos férteis de tanta produção. Até já, Niassa.

Jessemusse Cacinda


Jessemusse Cacinda é jornalista moçambicano. Formado em Filosofia/História pela Universidade Pedagógica e Mestrando em Sociologia Rural e Gestão de Desenvolvimento pela Universidade Eduardo Mondlane. Tem uma larga experiência na comunicação social, tendo trabalhado na Rádio Moçambique e agora no Centro de Apoio a Informação e Comunicação Comunitária, um projecto baseado na Universidade Eduardo Mondlane. Comenta em programas de rádio e televisão e tem artigos de opinião dispersos pela imprensa escrita no país e no estrangeiro.

Deixe a sua opinião

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Default thumbnail
Notícia Anterior

Presidente da República diz que o povo quer cessação imediata dos ataques

Default thumbnail
Próxima Notícia

"Bolas para os distritos”: promessa cumprida

Recente deCULTURA

Intruso Voador

A debilidade luminosa era por conta do crepúsculo vespertino por isso muitos aldeãos regressavam de seus

Batuque de Lamas!!

O velho acordou e dobrou seu cachimbo… Farlai ficou entre lagrimas e fumo dos deuses… Nossas

Deus de África!!

  Também é branco por isso as vezes o achamos estrangeiro Manipula a nossa mente e

Translate »
WhatsApp chat