Responsável pela morte de Max-Love contínua impune

//

Somam-se quatros (4) anos sem que haja um pronunciamento coerente por parte do tribunal judicial de Quelimane, cidadãos e familiares do jovem moçambicano, Jaime Paulo conhecido nos meandros artísticos por Max-Love clamam por justiça. Max Love foi baleado mortalmente na cabeça em 2013, precisamente a 21 de novembro por um agente da polícia de proteção de altas individualidades em frente a residência oficial do governador da província da Zambezia. Um dia depois do anúncio dos resultados das eleições Municipais que deram a vitória a Manuel de Araújo, candidato à presidência do Conselho Municipal de Quelimane pelo Movimento Democrático de Moçambique (MDM). Max-Love festejava a vitória do partido quando foi alvejado.

Fontes seguras afiançaram ao Semanário Txopela de que o processo continua “engavetado” naquela instituição e que passos sólidos ainda não foram dados com vista a apurar a veracidade dos factos e condenação dos possíveis culpados daquele crime tido como homicídio qualificado.

O caso encontra-se registado com o número de processo 55/2014 cujo arguido chama-se Manuel João. Entretanto sabe-se que existem provas em vídeo e fotografias submetidas ao tribunal que mostram o momento do baleamento e o presumível autor.

Deixe a sua opinião

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Default thumbnail
Notícia Anterior

Nova Rádio Paz fora do Ar

Default thumbnail
Próxima Notícia

CMCQ oferece equipamento de trabalho aos árbitros

Recente deDESTAQUES

Translate »
WhatsApp chat