Lançamento da mothers2mothers em Moçambique

em DESTAQUES/SOCIEDADE por

A ONG mothers2mothers (m2m) sedeada na África, junta-se aos esforços globais de luta contra o HIV/SIDA nas crianças em Moçambique, elevando para 8, o número de países da África Subsahariana, onde a organização actua.

Em parceria com o Ministério da Saúde de Moçambique (MISAU), a m2mvai lançar o seu Modelo de Mães Mentoras, a nível nacional – onde mulheres seropositiva vão ajudar mulheres grávidas e lactantes a prevenir a transmissão do vírus HIV para seus filhos. O trabalho da m2m será uma combinação de prestação de serviços a nível das Unidades Sanitárias e estabelecer parcerias com as outras ONG s,e ainda prestar assistência técnica ao MISAU e outras ONG s parceiras.

O projecto irá receber um financiamento inicial de 6 milhões de dólares para um período  de dois anos, fundos do Plano de Emergência do Presidente para o Alívio do HIV/SIDA (PEPFAR), a ser gerido pelos Centros de Controlo de Doenças dos Estados Unidos (CDC) e pela Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID). A m2m vai criar parcerias com várias organizações internacionais e implementadores locais, incluindo a Jhpiego, uma organização não governamental de saúde afiliada com a Universidade de Johns Hopkins  em Baltimore, EUA.”

As últimas estimativas sugerem que um em cada oito moçambicanos vive com o HIV/SIDA, tornando-se um dos países mais afectados pela epidemia. Cerca de 130.000 mulheres grávidas não têm acesso ao tratamento anti-retrovirais no país (fonte: Spectrum 2017). Alinhado a Estratégia Nacional de combate ao HIV, Moçambique formalizou a Estratégia de Grupo de Mães para Mães em 2010, um programa de apoio para mães seropositivas,adaptando elementos do Modelo Mães Mentoras da m2m. No entanto, as taxas de transmissão vertical do HIV tem permanecido altas. Com base nestes resultados, surge a necessidade do PEPFAR e o MISAU colaborar para revitalizar a estratégia dos GMPM,sendo que a m2m orgulha-se por ter sido solicitada a contribuir para o sucesso deste objectivo.

Leia:  Machel Fidus vai apoiar 100 crianças nos próximos 5 anos em Quelimane

A “mothers2mothers” tem uma longa história de trabalho como parceiro de confiança com vários governos e ONGs para combater novas infecções pediátricas. Nos últimos três anos, ajudou a eliminação virtual da transmissão vertical do HIV no seio dos nossos clientes,reduzindo a taxa de transmissão para uma média de apenas 1,6% em 2016”, disse Frank Beadle de Palomo, Presidente e Director Executivo da m2m. “Alcançamos este resultado ao empoderar mulheres como Mães Mentoras, desenvolvendo um currículo robusto e instrumentos de formação, assim como incorporando práticas rigorosas de monitoria e avaliação. Vimos o nosso Modelo de Mães Mentoras tornar-se EstratégiaNacional em diferentes países, incluindo África do Sul e Quénia. Agora, estamos ansiosos para compartilhar este conhecimento e experiência com os nossos colegas em Moçambique para garantir que a visão de uma geração livre do HIV/SIDA seja uma realidade”, acrescentou.

No primeiro ano, a m2m espera prestar serviços em 24 Unidades Sanitárias de alto volume e mulheres grávidas. A m2m também irá prestar assistência técnica ao MISAU e outros parceiros a nível nacional e provincial para melhorar o currículo de Mães para Mães, formação, ferramentas, estruturas e políticas. Outras actividades incluem o desenvolvimento de um sistema robusto de monitoria e avaliação (M&A) para o programa de MpM a nível nacional e local e a prestação de assistência estratégica ao MISAU, de modo a estabelecer e implementar uma nova estratégia de prevenção de transmissão vertical (PTV). A equipadam2m em Moçambique será liderada pela Dra. Ilda Kuleba, Profissional de Saúde Pública com mais de uma década de experiência em questões de HIV/SIDA e Saúde Pública nos sectores público e privado.

O recrutamento de Mães Mentoras começou em Dezembro do ano passado nos distritos da Beira, Dondo, e Nhamatanda da Província da Sofala, no distrito de Chimoio na província de Manica, e nos distritos de Quelimane, Nicoadala, Namacurra e Mocuba na Província Zambézia. No segundo ano, a m2m antecipa uma expansão para apoiar unidades sanitárias com alta prevalência.

Leia:  Impunidade não senhor Nyusi — Manuel de Araujo

FIM