Fundo de paz forma funcionários em matéria de crédito e reembolso

em DESTAQUES/GRANDE REPORTAGEM por

Face ao défice que se regista no seio dos combatentes mutuários em matérias ligadas a concepção, estruturação e gestão de projectos de geração de renda, o Fundo da Paz e Reconciliação Nacional (FPRN) em parceria com o Instituto de Formação Bancária de Moçambique (IFBM), lançou em Maputo, uma formação destinada a 10 colaboradores daquela instituição afectos ao Departamento de Financiamento de Projectos dos combatentes, que deverá se prolongar até o próximo dia 20 de Fevereiro corrente. Com esta iniciativa a instituição que lida com inserção sócio-economica de Combatentes, pretende a curto e medio prazos dotar e ver os técnicos que lidam com esta matéria mais robustos, sobretudo na alise de créditos, financiamento e por conseguinte consciencializar que os mutuários reembolsem os valores emprestados nos prazos estabelecidos previamente.

O curso a ser ministrado pelo Diogo da Cunha Amaral, formador do IFBM desde 2010 e com larga experiência em acções de formação sobre matérias relacionadas com o financiamento de projectos, crédito bancário e palestras sobre a actividade bancária, tem como principal objectivo, proporcionar aos colaboradores do FPRN uma visão geral sobre as operações de crédito no geral, e bancário em particular, nomeadamente sobre as noções gerais de concessão de crédito, fundamentos, conceitos e regras práticas que caracterizam a gestão de risco de crédito.

Discursando na cerimónia de abertura, Albino Inácio Mocha, Director Nacional de Inserção Social destacou a importância destas acções de formação enfatizando que dada a complexidade do processo de financiamento de projectos, o mesmo exige recursos humanos dotados de conhecimentos técnicos e científicos, que permitam uma análise minuciosa da viabilidade dos projectos submetidos pelos combatentes por forma a assegurar a sua sustentabilidade e rentabilidade.

Com efeito, acrescentou que após a formação, espera-se que os formandos sejam capazes de compreender e dominar os princípios fundamentais sobre o crédito, caracterizar as principais operações de crédito concedidas a particulares e as empresas, pressupostos que deverão ajudar os colaboradores do FPRN a identificar quais as operações de crédito mais adequadas a cada situação e a cada combatente.

Leia:  “Ou volto à era das cartas, ou a Vodacom me capacita a poupar crédito” — Virgilio Dêngua

Formação vai melhorar níveis de reembolso

Na optica do gestor Guido Machipissa, Director Adjunto para a área de Investimento no FPRN, o objectivo da instituição passa por capacitar os combatentes mutuários sobre todo ciclo de um projecto de empreendedorismo, desde a sua concepção, estruturação até a maturação, devendo para o efeito os técnicos que estão a ser formados, replicar esta iniciativa em acções de formação aos combatentes a serem levadas a cabo pelo FPRN em todo o país.

Por outro lado, Machipissa apontou que, uma vez dotados de conhecimentos técnicos, os combatentes poderão melhorar os resultados dos seus projectos contribuindo de forma significativa para o incremento dos níveis de reembolso que actualmente situam-se em 35% longe das metas e desejos traçados pelo Fundo de paz. Para reverter o cenário, o nosso interlocutor, fez saber que o Fundo da Paz e Reconciliação Nacional está a estabelecer parcerias na busca de fontes alternativas de financiamento junto de instituições nacionais e estrangeiras, bem como reforçar os mecanismos de controlo de reembolso para permitir que mais combatentes possam ser financiados.

Considerou ainda que no processo do exercício de actividades de assistência aos Combatentes prevalece um grande desafio que passa por estender a abrangência do financiamento de projectos elucidando que de um universo de cerca de 169.000 combatentes registados apenas pouco mais de 1727 foram financiados, tendo sido aplicados 436,191,437.05 Mts. Ate finais de Dezembro do ano transacto dos projectos financiados geraram cerca de 5.992 novos postos de trabalho a nível nacional, um indicador que anima aos gestores do fundo de paz, pelo facto de estar a dar resposta ao anseio do governo na promoção de emprego previsto no plano quinquenal 2015-2019.

Leia:  Nyusi promete água potável para Gurué

A título exemplificativo, referiu-se a parceria estabelecida com o Instituto para Promoção de Pequenas e Médias Empresas (IPEME) e o Centro de Investigação e transferência de Tecnologias para formação profissional e assistência técnica visando o desenvolvimento de projectos de Combatentes, e com o Fundo do Desenvolvimento Agrário (FDA) para fornecimento de equipamento agrícola e assistência técnica aos combatentes.

Refira-se que esta formação enquadra-se nos desafios traçados pelo FPRN para o presente quinquénio que passa por implementar o seu Plano Estratégico visando profissionalizar os serviços financeiros, tornando-se elegível a aceder a fontes alternativas de financiamento em benefício dos combatentes.

Deixe uma resposta