LIBERDADE & INDEPENDÊNCIA

A PIOR FIGURA DO ANO: Yassin Calú

em DESTAQUES/POLITICA por
  • Yassin Calú é a nossa pior figura do ano 2017
  • O rosto da corrupção no CMCQ

O ano de 2017 ficou marcado por vários escândalos e tragédias que deixaram os moçambicanos aflitos e magoados. O mal-estar de cada caso é desconforme. Assumidamente somos um jornal regional com a tradição de eleger as melhores figuras do ano, nesta edição quebramos a regra. Conheça a pior figura do Ano 2017 na visão dos profissionais do Jornal Txopela.  Jornal-Txopela-Nr78_2018-212x300 A PIOR FIGURA DO ANO: Yassin Calú

 Foi responsável pela frustração de diversos anseios e projectos dos munícipes da Autarquia de Quelimane em 2017. Fortemente contestado pelos munícipes em reuniões de avaliação da prestação do governo municipal, é conhecido como o rosto manifesto da corrupção no Conselho Municipal de Quelimane, instituição liderada no presente quinquénio pelo Professor Doutor, Manuel de Araújo.

Foi graças as astúcias de Yassin Calú, vereador para área de infra-estruturas e habitação que aquele governo municipal conheceu um dos piores níveis de aprovação dos munícipes, para além do péssimo atendimento pesaram na lista questões como nepotismo, corrupção e ausência do edil na circunscrição em viagens com a duração de mais de 1 mês dificultando o normal funcionamento da maquina administrativa municipal.

Líder de uma rede de corruptos

Yassin Calú na posição de vereador para área de Infra-estruturas e Habitação ao nível da autarquia de Quelimane liderou uma rede mafiosa de venda ilícita de parcelas de terras sob jurisdição do Conselho Municipal há indivíduos de origem Asiática principalmente. Em benefício próprio esmolou subornos para a tramitação de processos de pedidos de licença para a construção de residências e de títulos de aproveitamento de terra. Extorquiu empresários e mandou destruir infra-estruturas sem fundamento legais. Perseguiu e ameaçou quem ousou desafiar/ denunciar.

Pesam no seu extenso currículo maculo usurpação de terra há diversos munícipes, para posteriormente vender aos seus clientes. Já falsificou decisões do Presidente da Autarquia em conivência com altos funcionários da secretaria-geral da mesma instituição que exaram os despachos do gabinete do autarca.

É de resto o pior servidor público nestes 6 anos de governação de Manuel de Araújo e do Movimento Democrático de Moçambique em Quelimane.

Leia:  Araújo efectua visita de cortesia a Procuradoria Provincial da Zambézia

Ameaças a liberdade de Imprensa

Intentou várias abomináveis estratégias para silenciar a imprensa livre e independente que ousou denunciar os seus malfeitos. Chegou a zombar do serio trabalho dos magistrados ao depositar um processo de calunia e difamação contra o Jornal Txopela ciente de antemão que os artigos publicados por este semanário eram fundamentados por documentos e fontes que foram suas vitimas. Uma estratégia de distracção e vitimização que teve sol de pouca dura, os magistrados do ministério público e os oficiais da Policia de Investigação Criminal — SERNIC perceberam à intenção e há processos abertos em andamento nos órgãos da justiça contra Yassin Calú.

O Instituto de Comunicação Social para Africa Austral — na sua em inglês MISA, Capitólio de Moçambique chegou a condenar com veemência as investidas do governo municipal de Quelimane contra o Jornal Txopela em 2017.

“O vereador Yassin Calú, como que a se retaliar do facto [publicação de uma reportagem investigativa] decidiu de forma irregular mandar embargar qualquer possibilidade de construção de um edifício no espaço pertencente ao Jornal, ao mesmo tempo tem proferido ameaças ao Director do Jornal Txopela. O MISA Moçambique – Núcleo Provincial da Zambézia, entende que a actitude do vereador, Yassin Calú, consubstancia a um grave atentado a liberdade de imprensa e é indicadora de abuso de poder” lê-se num comunicado emitido por aquela instituição a 16 de Junho de 2017.

Da nomeação à exoneração pública: fica a memória do homem que mais durou no Governo de Araújo

O mandato de Yassin Calú confundem-se com o do próprio autarca de Quelimane, foi dos vereadores que mais resistiu no governo de Manuel Araújo, conhecido por sua velocidade na exoneração de quadros em períodos não superiores a três meses. Embora os escândalos públicos recorrentes Yassin Calú resistiu por anos a queda previsível, os detractores de Manuel de Araújo avançavam que a serenidade e complacência do edil de Quelimane mesmo diante de denúncias incontestáveis da má actuação do seu vereador tinha um só nome: Conivência.

Conivência resultante de um atrelamento por conta de negócios que Manuel de Araújo e familiares precisavam da mão corrupta de Calú para fazer passar sem o envolvimento directo da liderança que publicamente repugna estas actitudes.

Leia:  CORRUPÇÃO NO CMCQ: Araújo ordena investigação das denúncias

O fim sem honra e nem glória do homem cujas acções angustiaram milhares de munícipes foi anunciado a 30 de Dezembro de 2017 em praça pública pelo próprio chefe do executivo, Manuel de Araújo em tom de lamentação por ter permitido que os citadinos fossem ostracizados pelo vereador durante este tempo.

Decisão extremamente tardia, Manuel de Araújo por considerar a entrada de um novo ano político vigoroso com a realização das eleições municipais, decidiu livrar do elo mais fraco. Aquele que os seus detractores internos e externos usariam para fazer chacotas a sua governação.

Legado

A herança que Yassin Calú deixa ao nível da Autarquia mercê do seu trabalho na vereação que superintende questões de infra-estruturas urbanização e construções não é apreciável, aliás, Manuel de Araújo justificou a sua exoneração publicamente advogando que o seu ex homem forte afinal é incompetente “reconhecemos que as estradas continuam esburacadas, mas isso acontece, quando as pessoas não levam a sério o seu trabalho”− justificou-se minutos após ter anunciado na praça da paz para centenas de munícipes a exoneração do vereador.

De resto o ex-vereador deixa uma cidade com opressivos buracos nas principais avenidas e ruas, vias secundárias e terciárias em elevado estado de degradação. Ofensivos problemas de transitabilidade nos bairros periféricos, sistema de escoamento de águas pluviais inoperacional e infra-estruturas do Conselho Municipal a cair aos pedaços. Não é conhecida nenhuma ideia inovadora e transformista de Yassin Calú em anos de mandato, o que há são decepções acumuladas do presidente e seus correligionários, a marginal de Quelimane uma forte área de atracção turística conheceu o seu alto estado de degradação dos seus passeios e sombras no mandato do recém exonerado vereador. O cumprimento dos seus planos de actividades de 2015 à 2017 não conheceu 50% da sua implementação.

Por estas e muitas outras razões o Semanário Txopela elege YASSIN CALÚ MASSOCHUA, A PIOR FIGURA DO ANO 2017!

Deixe uma resposta

Ir para topo