Haverá um voto consciente em Nampula?

em DESTAQUES/EDITORIAL/POLITICA por

O jornalismo, tal como a política não são trabalhos monólitos. Nunca foram. Nunca serão. Ambos exigem empenho, trabalho árduo, criatividade e um compromisso puro com o pulsar da sociedade que o rodeia. Não são, apenas, feitos de palavras bonitas e carentes de uma acção concreta. É uma acção permanente com vista a satisfação dos interesses da maioria, o povo.

Entre manipulações e incoerências decorreu a campanha à corrida da presidência da camara da província nortenha de Nampula, em Moçambique. Aqui, o impossível também aconteceu. Discursos ambiciosos e egocêntricos marcaram a tónica de todos os candidatos. Os órgãos de comunicação, com alguma excepção, fizeram o seu papel ajudando a cimentar o apelo à sensações e não à razão, ela própria.

Um voto consciente é possível quando se tem ao dispor uma informação adequada e completa sobre um determinado candidato e o partido a que representa. Uma informação que permite ao eleitor conhecer as diferenças entre os candidatos e escolher aquele que, de facto, perfaz o perfil de um líder capaz de satisfazer os verdadeiros interesses do povo e gerir com zelo o património do estado. Um voto cosciente não é aquele feito com base em paixões, admirações vãs e  simpatias. Ele, simplismente, deve ser objectivo.

Caro eleitor de Nampula, podemos testar a qualidade do seu voto? Tente responder, com clareza e honestidade, estas pergutas: (1)- Conhece para que cargo os candidatos concorrem? (2) – Conhece o número de partidos que concorrem e o seu historial? (3) – Sabe como as campanhas foram financiadas? (4) – conhece o perfil sócio-político dos candidatos? (5) – teve acesso ao manifesto eleitoral dos candidatos? 6 – as promessas do manifesto são, verdadeiramente, tangiveis? 7 – os candidatos nunca estiveram envolvidos em escandalos públicos?… São apenas algumas perguntas que julgamos pertinentes quando for votar hoje. Se tiver respondido “não” a maioria das perguntas elencadas, então, muito provavelmente o seu voto não será consceinte.

Leia:  Daviz Simango: Pede transparência e seriedade na divida pública

Seja o que for. É bom que compreenda que um voto consciente é melhor do voto inconsceinte. Esta é uma oportunidade de ouro de fazer a diferença e demonstrar o seu poder através de uma escolha certa. Portanto, nestas eleições lembre-se de fazer um voto consciente!