Cimeira de Mulheres aborda liderança feminina

em DESTAQUES/EDUCAÇÃO/SOCIEDADE por

O académico brasileiro, Gabriel Chalita, será figura principal da Cimeira das Mulheres Líderes de Moçambique. Chalita, ao falar do evento que terá lugar no Hotel Radisson Blu, em Maputo, nos dias 1 e 2 de Novembro, a partir das 8 horas, defendeu que “as diferenças não podem justificar as desigualdades”.

“Convivi e convivo com mulheres que conseguiram superar as adversidades e liderar a própria história. E provaram que as diferenças não podem justificar as desigualdades” afirma o académico brasileiro.

A Cimeira organizada pela African Influence Exchange (AIE), tem como objectivo reunir mulheres  líderes  que representam o mundo de negócios, Governo, meio académico e cultural bem como homens influentes, com vista a dar novas perspectivas a influência das mulheres num Cenário Global.

Este encontro procura redefinir o conceito de liderança, ouvir das mulheres líderes influentes que lidam com os desafios no quotidiano, os pontos fundamentais para o empoderamento da mesma, desafiar estereótipos e tendências inconscientes, definir metas, desenvolver um plano de acção organizacional, implementar ferramentas para mudanças e criar um networking para ajudá-las a estabelecer conexões duradouras com outras mulheres líderes.

Chalita é um filósofo brasileiro, escritor, actualmente professor de Filosofia do Direito na PUC/SP e na Universidade Mackenzie, vem a Moçambique como orador convidado. Questionado sobre a relevância desta Cimeira, Chalita afirma que o respeito é um dos pontos importantes de abordagem em relação aos géneros.“Que as mulheres e os homens se respeitem. O mundo fica melhor quando ser diferente não significa ser superior ou inferior”.

Refira-se que nesta Cimeira estarão presentes mulheres com cargos distintos em diversas organizações bem como na política, com destaque para a ex-primeira Ministra de Moçambique, Luísa Diogo, a Directora Central do BCI, Paula Boca, a Presidente da Federação das Mulheres Empresarias e Empreendedoras da CPLP, São Abdula e a Vice-presidente da mesma organização em representação do Brasil Mónica Monteiro, representantes de outras instituições bem como empresas particulares com lideranças Femininas.

Leia:  Eleições autárquicas em Quelimane: Renamo entra na corrida