CDN desmantela burladores de passageiros do troço Cuamba-Lichinga

em DESTAQUES/SOCIEDADE por

Nampula (Txopela) — Face as queixas de burlas e açambarcamento de bilhetes reportadas pelos utentes do comboio de passageiros no troço Cuamba-Lichinga, na província do Niassa, nos últimos tempos, muito devido a elevada demanda pelo transporte ferroviário naquela região, a CDN – Corredor de Desenvolvimento do Norte, em coordenação com a PRM, desenvolveu uma apurada investigação que culminou com a neutralização de dois elementos envolvidos nestas práticas e que foram, todos, recolhidos à cadeia de Lichinga.

Num passado recente, informações chegadas a empresa, deram conta que a população era abordada por desconhecidos e cobrada mais 50% acima do valor estipulado de bilhetes no troço Cuamba-Lichinga.

 “Nós não compactuamos com esses actos, por isso mesmo, investigamos e descobrimos parte dos infractores. O trabalho investigativo vai continuar porque são comportamentos que não aceitamos, mancham de certa forma a nossa empresa e violam nossos valores, sobretudo o princípio da ética, onde pautamos pela transparência, responsabilidade, integridade e honestidade”- disse Sérgio Paunde, porta-voz da CDN.

Esta foi a segunda medida depois da CDN ter banido a compra de mais de dois bilhetes para um único passageiro e introduzir novas normas na compra de bilhetes para as associações, no sentido de evitar que haja pessoas que adquiram bilhetes a preço normal para revender a preços especulativos numa autêntica burla aos passageiros.

Igualmente, no cumprimento do seu valor ético, e no objectivo de fornecer serviços com segurança acima de tudo, a CDN investigou e entregou a polícia três elementos entre os quais Dois elementos seus e Um da Segurança privada ARKHE que estiveram envolvidos no desvio de três vagões com 2.400 sacos de adubos na estação ferroviária de Entre-Lagos.

Leia:  Caso Max –Love: MDM organiza marcha de protesto esta segunda-feira em Quelimane