Numa clara situação de fogo posto: Jovem morre carbonizado

em DESTAQUES/SOCIEDADE por

 

  • Entretanto desconhece-se a proveniência do fogo

Quelimane (Txopela) – Um jovem de seus 30 anos de idade foi encontrado já sem vida momentos após um incêndio de média proporção na zona residencial Coalane Primeiro arredores da cidade de Quelimane.Foto-carbonizado-300x225 Numa clara situação de fogo posto: Jovem morre carbonizado

Trata-se de Miro Felismino Sacataria vulgarmente conhecido por Super Men, que na tarde de domingo esteve na companhia de amigos e familiares gozando de bom estado de saúde e aliás, segundo apurou o Jornal Txopela da irmã mais velha do finado, neste mesmo domingo terminava a cerimónia de construção de campa do seu ente querido. Após uma tarde de certo modo divertida, pelas 23 horas cada um recolheu-se ao seu quarto, mas o finado tinha sua casa particular nas redondezas.

Segundo apurou a Reportagem do Jornal Txopela, junto da própria irmã do finado, Miro Sacataria, despediu-se dos seus familiares e amigos naquela noite como quem realmente amanhã pudesse retomar a convivência normal mas afinal era um até amanhã definitivo.

“Volvidas cerca de 1 hora e meia após eles terem ido se deitar, isto é, por volta das 00:30, eis que são que a minha cunhada me acorda alertando-me sobre alguns movimentos estranhos que se ouviam do lado exterior da casa e eu questionei sobre o se passava, e ela me disse ter estado a ouvir alguns gritos do lado do campo que está na imediações da sua residência”- disse a nossa interlocutora.

De seguida a mesma declarou ter interdito a cunhada de abrir a porta e começou a efectuar chamadas telefonicamente para os vizinhos mas infelizmente estes não saíram. Adiante viam-se chamas de fogo do lado da casa do finado e tomaram a iniciativa de sair para perceber do que realmente se tratava, afinal era casa do irmão que estava a pegar fogo.

Leia:  QUELIMANE: Obras do mercado de Sangariveira atrasadas

Num outro desenvolvimento a nossa interlocutora disse ter aberto a porta de maneira forçada e lá no interior tudo estava em chamas e foi nesta ocasião que alguns vizinhos saíram e apoiaram a debelar as chamas enquanto alguns efectuavam contactos com o Corpo de Salvação Pública, vulgo Bombeiros e outros a Polícia da República de Moçambique que chegaram cerca de 3 horas e meia depois da solicitação ou seja das 00:30 até cerca das 4 horas.

Na altura em que os Bombeiros chegaram também por volta das 4 horas, as chamas já tinham sido debeladas pelos populares. Primeiramente o corpo do finado não estava na cama, o que levantava a possibilidade de não ter passado a noite em casa, disse a nossa fonte, mais depois de vasculhas foi possível localiza-lo num dos cantos da casa mas completamente carbonizado.

Com choros a irmã do finado disse ter visto aquela situação com muito desagrado e sobretudo angustia. Esta disse não ter acreditado que se tratava do irmão com quem teria convivido a sensivelmente uma hora atrás.

Segundo contou ainda, os braços pareciam ter sido amarrados, facto que remete a possibilidade de que antes de lograr seus intentos os mentores daquele crime hediondo, teriam o amarrado e depois perpetrado a sua acção.

“Meu irmão esta aí, todo ele assim, até onde sei ele não tinha maldade com ninguém e se tinha ninguém teria me reportado, eu vivo em Nicoadala não tão longe assim pelo que se existisse alguma coisa negativa a seu respeito, certamente eu teria tomado conhecimento”, – lamentou aos choros.

Refira-se que até ao momento desconhece-se a real proveniência do fogo que tirou a vida a este cidadão.

PRM ainda não tem pistas

Leia:  “O nosso mercado rural está distorcido” - Ragendra de Sousa

Entretanto, a Polícia da República de Moçambique na Zambézia através do seu respectivo porta-voz, Jacinto Félix, diz que após o sucedido foi constituída uma equipa para averiguar o episódio mas até então ainda não tem pistas.

Conforme a fonte policial, o incêndio que levou a carbonização do jovem, ocorreu de maneira muito estranha, pois segundo explicou a casa era feita de paredes “maticadas” com o teto coberto a chapa de zinco, não estava electrificada para se dizer que foi curto-circuito, pelo que há algo estranho.

Jacinto Félix, disse no entanto que a corporação está neste momento a fazer desdobramentos no sentido de encontrar os possíveis mentores, portanto, a PRM, admite que a situação teria sido causada por gente de conduta duvidosa. (Redacção)