Moçambique hipotecado!

em EDITORIAL por

Txopela“Roubo é crime, sabotagem é crime, negligência é crime, a mentira, a informação falsa, que leva a soluções erradas é crime e devem ser punidos… crime contra a economia é crime contra o povo” – Extracto de um discurso proferido pelo primeiro presidente de Moçambique independente, Samora Moisés Machel

Entretanto, ficamos a saber através de agencias noticiosas internacionais, semanas findas que, afinal, e sem anuência do povo moçambicano, o anterior governo da Frelimo que comandou os destinos deste pais por uma década, endividou folgadamente aos mais de 24 milhões de moçambicanos num valor astronómico de mil milhões de dólares norte americanos. Todos conhecem-se os autores, um grupinho de gestores públicos que, através de actos que só podem ser considerados criminais, amarraram os moçambicanos a uma divida potencialmente infinita. Sem controlo político nem supervisão técnica.

Numa altura em que o Pais é abalado por vários factores conjunturais desde a tensão política, a depreciação do metical, seca, inundações, fenómeno de raptos os titulares máximos da hierarquia do Estado moçambicano hipotecaram o País. Moçambique hipotecado e sem alternativas visíveis para alavancar a economia adormecida. Neste momento de crise em que os mo- çambicanos foram colocados é no mínimo necessário esclarecer a saúde econó- mica da pátria e não permitir que a hipoteca seja duradoira

Leia:  BIM apoia a reconstrução da Feira de Actividades Económicas em Quelimane